sábado, 4 de dezembro de 2010

Alguém ainda acha que ela é boba ?


Quem estava na dúvida se a nossa nova presidente do Brasil é realmente uma mulher de visão, creio que agora não tem nada do que duvidar...
.
A Sapa Mor acaba de escolher nove sargentos da FAB, Força Aérea Brasileira para formarem a equipe da aeronave presidência. Até aí tudo normal não é mesmo?Mas o importante nisso tudo é que ela escolheu nove sargentos femininas...
.
E olha que ela não foi nada boba não... é só olhar a foto e perceber que ela além de ter bom gosto, sabe escolher a dedo (ops) sua equipe!
.
As moçoilas tem treinamento militar, em selva, e em salvamento, além de serem pilotas, controladoras de voo, etc.
.
Agora se imagine cercada por nove lindas mulheres, fardadas (quem sabe com direito a algema e tudo...), e que se for necessário, sabe fazer um excelente boca-a-boca...
.
Mais alguém aí quer se candidatar a presidente nas próximas eleições ?
.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Sobre quando a vaca foi pro brejo.



Era uma vez uma sapa. Inexperiente ainda, tadinha, pouco sabia do mundo sapo. Essa sapa, um dia, conheceu outra sapa, que embora mais novinha, era mais experiente. Elas então se apaixonaram. Foi lindo, o lago todo ficou em festa. E quanto mais elas ficavam juntas, mais as noites de luar pareciam ficar lindas.


Então a sapinha inexperiente, ouvindo toda a voz da experiência da sua amada, resolveu convidá-la para morar no seu brejo. Sim, ela estava um pouco relutante e apreensiva, mas a outra era tão experiente, e tão confiante e queria tanto aquilo que ela também passou a querer...


A sapinha pensou que a melhor coisa que tinha feito em sua vida era ter convidado a sapa pra vir morar em seu brejo. O brejo ficou lindo! A sapa experiente sabia deixar aquele brejo como outro!


Mas um dia a sapa, do alto de toda sua experiência, disse que aquele brejo não servia para ela. Então a sapinha pensou que teriam de achar um outro brejo para elas viverem felizes. Mas a sapa experiente disse que isso já não era mais possível, e deixou o brejo e a sapinha para trás.

Demorou para a sapinha perceber que o que a outra sapa também tinha deixado para trás um pouco de experiência. Demorou para ela entender que na realidade ela não tinha convidado uma sapa para morar em seu brejo, na realidade ela tinha convidado uma vaca! E a vaca foi pro brejo! Ela achava que sua vida tinha ido junto...

Então ela percebeu que alguns animais se fantasiam, se camuflam, e que é dificil distinguir. Distinguir a vaca da sapa. O burro do cachorro. Gato com lebre. O gato e o gambá, e tantos outros... Sabia que tem até veado que é urso! ?


Então ela acabou não convidando mais ninguém para o seu brejo. Ela tinha medo de se confundir novamente.

Ela falava, conversava, e até dava uns beijinhos em alguns aminais do lago. Mas ficava sempre desconfiada. Ela nunca sabia se aquele animal que ela via, realmente era aquilo mesmo. E como saber?


Só depois de muuuuito tempo é que ela percebeu algumas coisas. Foi nesta época que ela percebeu que não era assim tão inexperiente. Talvez algumas sapas, ou vacas, quisessem que ela pensasse assim. Porque ela percebeu que pelo menos de uma coisa ela sabia. E que esse era um conhecimento muito valioso...


Ela sabia que não havia como ter certeza. Ela percebeu que nunca se sabe. Ninguém sabe. E que algumas vezes nós vamos mesmo confundir. Vamos nos enganar. E vamos nos machucar. E que isso dói. Dói mas ensina. Ensina a curar o machucado e a tentar novamente. Até um dia, quem sabe, poder encontrar aquela sapinha especial que sempre procuramos...

Eu estou testando uma sapinha que espero ser a especial para o meu brejo. Quem sabe? O importante é não desistir de tentar!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A arte de viver...

Amo arte. Foi Fernando Pessoa quem disse que “A ciência descreve as coisas como são; a arte, como são sentidas, como se sente que são.” Sou uma apaixonada por arte, e me entusiasmo com ela! Adoro tantos tipos de arte...

Não sei se todos, mas quero acreditar que sim.

Claro comecei com as formas mais comuns e acessíveis dela. Com uma boa música tocada no rádio. Nem sabia o que era arte, mas gostava de música, comecei a me aprofundar no assunto. As músicas do rádio eram boas, mas logo comecei a conhecer mais que isso. Acreditei em Oscar Wilde, que falava que “a música é o tipo de arte mais perfeita: nunca revela o seu iltimo segredo.” Procurei desvendar este segredo. Comecei a conhecer música não tão comerciais, mas que me tocavam. Depois músicas que talvez já tivessem sido comerciais, ou que o eram para um determinado grupo. Amei Carl Orff e sua quase herética Carmina Burana.

Mas outras formas da arte começaram a me chamar a atenção também. Pinturas. Tantas e de tantos tipos... Os classicos me chamaram a atenção. Alguams vezes me pareciam absurda, outras nem tanto... Mas e o que falar das vezes em que o absurdo parecia fazer sentido, ou se parecer com o que eu vivia? Depois Van Gogh, Dalí, e dalí Magritte, Derek Hess... Tantos!

Meus horizontes começaram a se alargar e percebi tantas outras formas de arte a minha volta. Passei a andar olhando para cima no Centro de São Paulo, vendo os antigos prédios, muitos sem a devida reforma ou pintura, mas lindos! E esquecidos... Então arquitetura!

Comecei a procurar as formas. Achei prédios novos e velhos tão lindos, tão bem arquitetados. Como eu gostaria saber arquitetar dessa forma. Talvez pudesse fazer um desses prédios, ou talvez pudesse só arquitetar um pouco mais a minha vida...Mas Mozart disse que “para fazer uma obra de arte não basta ter talento, não basta ter força, é preciso também viver um grande amor”, e eu não tinha vivido esse amor, não podia fazer arte. Nem com a minha vida...

Ah a arte...
Ah o amor...

Aprendi que falar também era uma arte. E ouvi discursos maravilhosos. Me apaixonei por uma discurssista, e quantas formas ela tinha para discussar... Quis acreditar que ouvir também fosse uma arte, pois então eu seria uma excelente artista. Mas os discursos sempre me mostravam que eu era desprovida de arte, eu era uma mera expectadora. Então minhas expectativas passaram a ser poder estar próxima dessa artista... E que ela talvez pudesse fazer minha vida ficar mais perto da beleza da arte.

Se ‘”a arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!” (Mário Quintana). Então um dia deixei de ser a expectadora. Porque sua arte não mais podia se destinar a mim. Nem assistir a arte eu poderia mais...

...

A vida continua. Precisa continuar. Preciso trabalhar, comer, falar, estar, viver.

Então passou-se um longo periodo cuja vida se tornou algo cinza, sem gosto, sem beleza. Minha vida e a arte são definitivamente dissociadas. Parei de olhar para cima, procurando a beleza da vida, dos arranha-céus... Comecei a andar olhando para baixo. Meus pés, outros pés, sarjeta, lixo, pituca de cigarro... esse passou a ser meu mundo, era só o que via.

Como diz Vinicius, “vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”, e então percebi que a arte está para todos. Ela me encontrou mesmo olhando para baixo. Arte de rua. E sobretudo a arte da vida. Porque não importa para qual lado olhe, ela está lá. Amos os grafitttes que embelezam a cidade, em toda parte, sem distinção alguma. Foi em uma sarjeta, no lugar menos improvável, e mais desprezado que a encontrei novamente, a arte!

Hoje voltei a ser expectadora. Vejo tanta arte a minha volta, mas pessoase em tudo a minha volta. Mas também passei a ser artista. Artista em ver tanta arte em tantos locais. Artista em viver, como se pode, e da forma que se pode. Artista em ouvir, porque Goethe me ensinou que “falar é uma necessidade, escutar é uma arte”, e comecei a ver que quando tenho oportunidade também posso ser artista em falar, ou quem sabe escrever. Que a arte não exclui, ela inclui.

Hoje minha arte é viver, viver a vida com arte, com felicidade, hora assistindo, hora atuando, mas o melhor é poder estar em ambos os locais. Picasso já dizia que “a arte é a mentira que nos permite conhecer a verdade”.

Porque a arte nos mostra que tudo pode ser bonito, com um pouco de talento, vontade, e criatividade. Absolutamente tudo ! Inclusive nossas vidas...

A arte diz o indizível; exprime o inexprimível, traduz o intraduzível”. Leonardo Da Vinci.

domingo, 31 de outubro de 2010

Como dorme a sua periquita?

Após um longo e tenebroso inverno, declaro que VOLTEI ! ! !

Muuuito trabalho, alguma diversão, namoro... (que ninguém é de ferro), e férias.

Estas coisinhas me afastaram um pouco daqui, mas agora estou de volta.

Inicialmente vou mostrar algumas coisas que vi durante este período e que acho um absurdo que não poder compartilhar...

Neste período um dos lugares em que fui, foi a Bienal do Livro de São Paulo.

Como boa leitora compulsiva não podia deixar de ir e ficar totalmente perdida em montanhas de livros, querendo comprar quase todos, e quem sabe ler pelo menos a metade enquanto estavivesse lá dentro.

No final estava cansada, com os pés doendo de tanto andar, os olhos ardendo de tanto prestar atenção em absolutamente tudo e não querendo perder oportunidade alguma de encontrar um livro legal (como se não tivesse encontrado milhares...), ou algum autor maravilhoso andando anonimamente entre as pessoas, ou sei lá o que...

Mas acabei encontrando algo que não imaginava...

Fiquei estarrecida. Abobada...

Parada, olhando...

Depois fiquei tentando imaginar... como seria... e qual seria sua principal finalidade...

Bem, como acabei não descobrindo, vou aqui mostrar o que encontrei e esperar que alguma de minhas leitoras tenha uma teoria sobre algo tão... interessante.

Depois da foto, fiquei me perguntando: Quantas periquitas costuma dormir em um travesseirinho especial ? E como a sua dorme?


sábado, 26 de junho de 2010

Fases...


Existem fases que as sapas passam...

Sabiam que as sapas são animais metamórficos?



- Quando a conhecemos são gatas.


Felinas que nos fazem largar qualquer outro pensamento. Só nelas pensamos. Em como falar com elas, como fazer-se ser notada, etc. São lindas! Parecem se mover em câmera lenta, e sensualmente. Tudo que fazem é pura sedução!


- Depois, nos primeiros encontros e na cama são panteras.


Já estamos seduzidas, mas elas querem mais! E isso nos excita ainda mais. Elas estão sempre dispostas, e são maravilhosas. Sexo selvagem, delicioso, com gosto de quero mais! Não existe outra como ela!


- Quando as namoramos são borboletas lindas.

Não deixaram de ter os atributos anteriores, ainda são, deliciosas, e sexys. São lindas, adoramos estar ao lado delas, e ser vistas ao lado delas. Queremos anunciar a beleza de nosso encontro. Pousam em nossas vidas e queremos que assim permaneça.


- Depois de casadas se tornam leoas.


São lindas, e selvagens, mas essa selvageria também pode se voltar contra nós. O melhor que se tem a fazer e deixar que este lado só se mostre na cama, e para isso deixamos que elas sejam a rainha da selva. “Sim meu bem, tem toda razão...”


- Quando se separam de nós, automaticamente viram vacas...

Essa é a mutação mais rápida que já vi em minha vida! É melhor que café instantâneo. Não é necessário nem adicionar água. É uma metamorfose imediata! Quem nunca chamou a ex de vaca!?


- E, finalmente, depois de algum tempo, são aqueles ursinhos.

Sabem aqueles ursinhos bons de abraçar de vez em quando, de preferência quando ninguém está vendo?



Mas melhor mesmo é quando dá zebra...

E podemos contar com elas para sempre...

Sem pensar em animal algum, sendo somente nossa companheira, amada e amiga.

domingo, 13 de junho de 2010

Tsunami de mulheres...


Acho que todas podem concordar comigo quando digo que mulheres vem e vão como as ondas do mar. Em alguns momentos passamos por uma maré baixa, e ninguém aparece nem pra dar uma paqueradinha e alegrar um pouco nosso dia, mas em outras épocas parece que elas combinam de te paquerar, cantar, etc.


Não vejo nenhuma novidade no que disse até agora. E o pior é que geralmente a maré alta acontece quando já estamos com alguém. É como estar desempregada. Ficamos um tempão camelando, indo de agência em agência entregando milhares de currículos, fazendo contato, quase batendo de porta em porta e nada... Mas um dia finalmente chega sua vez. Consegue um emprego. E não precisa nem ser dos melhores, mas já é um emprego. Quando consegue se ambientar no lugar, conhecer as pessoas, e começar a tirar a quela imagem da novata que não sabe nada, e começam a confiar em seu trabalho. Sempre é nessa hora que alguém te liga oferecendo um outro emprego. O possivel novo emprego será mais perto, ou melhor, ou com melhor salário, sei lá, mas sempre há alguma vantagem maior do que o seu, e ficamos em dúvida.


Nos relacionamentos ocorre a mesma coisa. Agente fica na seca por um tempo muito maior do que o desejável, e aceitável. Quando o alto das paredes parece ser o seu lugar cativo, finalmente encontramos a nossa salvadora. Algém para passar os dias, para ver aquele fiomizinho meloso sob as cobertas, para passar o dia das namoradas, enfim uma companhia.


E quando já se passou o inicio do relacionamento quando tudo é bonitinho, fofinho e sexy, mas fácil de se largar, mas somente quando as coisas começam a ficar mais estabilizadas, e ainda quente, é que a coisa acontece. É nessa hora que alguém vai aparecer pra te enlouquecer... Algúem que sempre se desejou e nunca lhe deu bola, ou aquela ex inesquecível, ou alguém novo e deslumbrante...


Elas nunca aparecem sozinhas. Parecem que andam sempre em bando, e que quando veem que algém te agarrou, têm de ir lá tentar tirar...


Quando isso acontece é realmente muito bom, mas também é um problema...


Mas para piorar as coisas, as mulheres não vem só em ondas comuns, daquelas que acabei de falar, que simplesmente vai e vem, e determinados momentos. Existem também os Tsunamis de mulheres... E esses como o original, podem ser desastrosos se nãos e estiver preparada.


Depois da minha separação passei por alguns. O primeiro foi logo após o ocorrido. Foi ótimo, eu estava com a auto-estima um pouco baixa, e a elevou até quase as nuvens. Uma disse que me olhava há muito tempo, mas que só tinha tido coragem agora. Outra acabou de me conhecer e não parava de pensar em mim, aliado a isso, umas ex que queriam ver se eu tinha aprendido alguns truques novos... etc.


Depois disso vem uma maré baixa, mas fiquei de boa, como consegui pescar alguns bons peixes durante a grande onda elas ainda me rendiam o bastante para ficar bem.


Depois de um tempo, também tão inesperado quanto o primeiro, veio o segundo. Esse veio um pouco mais forte. O que acontece é que não se sabe de onde aparece tanta mulher. E todas lhe querendo... se dizendo apaixonada, pedindo em namoro, te seduzindo... Um problema... O interessante é que as autoras do primeiro evento se juntaram e vieram novamente juntas, ainda trasendo algumas novas aquisições ao bando.


Claro que é um espetáculo lindo de se ver, e se quer aproveitar, mas também há algum perigo nele. Elas não vem com propostas de relacionamentos abertos, de compartilhar, elas querem exclusividade. Mas como escolher se são todas tão lindas, deliciosas, hábeis no que fazem, e fazem!... Quando se acredita que é a maior equilibrista do mundo e já pode ser convidada para trabalhar como atração principal no Circo de Solei, elas parecem cansar da brincadeira de te enlouquecer, e vão.


Hoje, estou sentindo que quando ando na areia, o mar some sob meus pés, com uma força e velocidade assutadoras. Noto também que os ventos estão bastante fortes e em minha direção, e ao horizonte, se aproxima uma enorme onda... Que me atinge!!!!


Todas as outras citadas estão á toda! Dizem estarem arrependidas da decisão de se afastarem. Umas até tentaram ficar com outra pessoa mas não deu certo. Existem novas aquisições, até menores de idade aparecem para lhe aliciar... As que permaneciam por perto, como amigas, também lhe pedem em namoro, sem qualquer aviso prévio, e ainda a ex que vem chorando desesperada pedindo perdão. Sim garotas, aquela ex !!!! Depois de tudo que fez, e de tempos enormes sem nenhum sinal de vida, ou quando o fazia era de forma agressiva, agora vem pedir perdão. Chora. E quer conversar.


Claro que como já perceberam, eu já estou começando a aprender até a surfar nesses Tsunamis de mulheres, e então já não me abalo com qualquer peixinho que aparece. Respondo: “Obrigada pela sua ligação, ela é muito importante para nós, anote o número do protocolo (666) e assim que possível e conveniente, retornaremos a sua ligação (o que não creio que aconteça neste século ou vida).”


Quando a maré começa a trazer muita porcaria, é que o mar está de ressaca, então é melhor até sair do litoral. Então vou voltar pro meu cantinho e ver se vejo alguma sereia passando por aí...

Quanto aos Tsunamis... Bem alguns ainda poderão passar, mas se forem aproveitá-los, cuidado para não se afogarem !!!!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Queremos aceitação! ... ?


Acho que tenho um pensamento diferente do das demais pessoas. Não que eu me ache alguém especial, ou um gênio. Mas é que tem algumas coisas que simplesmente não consigo pensar como a maioria.


A Parada Gay por exemplo. Primeiro, não é mais parada gay, é GLBT. Acho esse nome muito mais complicado, mais estigmatizador, e que afastará mais ainda as pessoas desse público. Afinal todos nós conhecemos pelo menos um gay. E um GLBT voce conhece? É como o discurso de Milk. Todo mundo tem um gay conhecido, ou na familia, ou amigo, e pode aceitá-lo, então porque não aceitar os demais? Daí a aceitação de todos. Mas esse tal de GLBT é um negócio muito distante.


Mas afinal porque estou falando nisso. Já que faz muuuito tempo que a parada não tem mais um fundo político. Pelo menos para nós gays, o fundo político da parada hoje em dia é só o dos políticos héteros querendo levantar votos conosco, e portanto aparecem e tiram fotos na parada para parecerem "simpatizantes"...


Hoje a parada é só um Oba-Oba. É só curtição, carnaval, e muita música ao ar livre. Na realidade me parece mais com o dia que os animais do zoológico podem dar uma voltinha na cidade e ser visto pelos seres normais que nem precisam sair de casa e pagar ingresso para vê-los...


Mas é a luta pela visibilidade. Concordo. Mas fui na parada e ví ali muitas mulheres, lésbicas. Elas estavam lá lutando pela visibilidade lésbica? Então porque não foram na caminhada lésbica na véspera da parada? Também foi na Avenida paulista, com carro de som, bandeira colorida e tudo. eu fui e pela minha estimativa deveria ter no máximo umas mil pessoas, e nem todas eram mulheres. Onde está então a luta pela visibilidade?


Não vejo como alguém pode, por exemplo criticar o sistema de cotas para negros em faculdade dizendo que esse sistema não resolve o problema, é só o mascara, mostrando ainda mais a cara da discriminação, e depois disso defender a Parada GLBT. Acho que finciona da mesma forma. Não queremos um dia de visibilidade bizarra, queremos o ano todo de aceitação.


Mas apesar de tudo isso, desse meu pensamento contra toda a maré GLBT, sou obrigada e dizer uma coisa: Eu fui na parada, me diverti muito, e não deixarei de ir ano que vem novamente !!!!


quarta-feira, 26 de maio de 2010

Sibutramina



Esse troço acabou com meu casamento. (Exagero, foi apenas uma das quinhentas coisas que fizeram isso acontecer...).

Minha (ex)mulher foi ao endocrinologista e ele disse para ela tomar o tal remédio, e fazer dieta. Eu disse que não era legal fazer isso, que o remédio era forte (tarja preta) e que não faria bem a ela, que estava tão bem e linda. Calma gente naquela época eu estava passando por um surto de cegueira momentânea. (e burrice também...) Se naquela época eu pelo menos já soubesse que "o único remédio para se salvar dos arrependimentos no casamento é abrir os olhos antes de contraí-lo e fechá-los depois." (Giuseppe Gioachino Belli)...

Mas como dizia Celso, "É melhor tentar um remédio de resultado duvidoso do que nenhum", minha ex começou a tomar o troço e fazendo a tal dieta dos carboidratos.

O troço é super forte, cheio de efeitos colaterais, e a dieta, pra quem não conhece faz com que não se coma nada com carboidrato por um período de aproximadamente um mês.

O carboidrato é o que nos dá energia e faz nosso corpo como um todo funcionar. Com tal dieta, o carboidrato que temos acumulado no corpo, e mais a reserva dele (gordura) é toda gasta já que a pessoa só gasta energia sem repô-la. Então podemos pensar que a pessoa fica apática... Mas não é verdade, ela só fica assim na aparência, porque os olhos perdem o brilho, queda de cabelo, falta de apetite sexual, tontura, mal estar, as bochechas ficam secas, como a maior parte do corpo das pessoas que eu poderia dizer que está definhando... Fome a pessoa não sente não, porque pode comer de tudo, e de preferência deve comer muita gordura, muito queijo industrializado, e outras porcarias... Mas e a vontade de comer? Sabe aquela macarronada? As coisas mais gostosas da vida têm carboidrato.

Resultado disso tudo: surtou!!!!! Minha ex surtou. Quebrou toda a casa, brigou com amigos da escola, vizinhos, minha família, família dela, pessoas que passavam na rua, as que não passavam na rua, que aparecia na TV, quem ligava e ligava para as que não ligavam para brigar... Enfim qualquer ser existente ou mesmo imaginário esta na linha de tiro dela...

E é lógico, não podia deixar de brigar comigo no meio disso tudo... Tentei ser gentil pra não ficar na reta dela, mas não teve maneira de me esgueirar... Eu falava que era culpa do remédio, e que ela não era assim, então ela me culpava de achar que ela era uma marionete e que não tinha personalidade o bastante para agüentar um remedinho... Se eu dizia que ela estava sendo cruel, e agressiva com as pessoas e comigo, ela dizia que eu era insensível que não entendia que era efeito do remédio. Se eu falava pra ela parar de tomar o remédio e com a dieta, era porque eu não me importava com ela e que ela ia ficar enorme e eu ia trocá-la, se eu a incentivava a ser forte e continuar com o tratamento (e meu destratamento), ela dizia que eu não estava nem ai com ela...

Alguém poderia chamar isso de remédio? Porque além de não curar porcaria nenhuma, ainda traz outro tanto de sintomas e efeitos colaterais físicos, emocionais e posso dar meu testemunho que os efeitos colaterais atingem inclusive (e eu diria que principalmente) a vida pessoal da pessoa.

Segundo Elbert Hubbard "De todos os remédios caseiros, uma boa esposa é o melhor." Só esqueceram de me contar o que fazer quando a doença é a esposa...

Mas no final pra mim foi ótimo! Não entendeu? Ué? Eu não comecei o post dizendo que isso ajudou a acabar com meu casamento? Então... Me curei!

quinta-feira, 20 de maio de 2010

No restaurante...



Só pra descontrair...
Acho que essa tirinha resume o que os homens sabem (ou pensam que sabem) sobre nós...

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Anos-Lés



Acredito que todas já ouviram falar em anos-luz. “Ano-luz é uma unidade de medida utilizada em astronomia e corresponde à distância percorrida pela luz em um ano, no vácuo. Seu plural é anos-luz. (...) A luz desloca-se a uma velocidade de aproximadamente 300 mil quilômetros por segundo.” (wikipédia). Vejam meninas, um pouco de loucura também traz cultura... rsss. Mas continuando...


Assisti recentemente um curta lésbico chamado “The ten rules – A lesbian survival guide”, ou seja: As dez regras – um guia de sobrevivência lésbico. O curto não é excelente, mas é bonzinho, e dá pra assitir...



A parte que achei mais interessante no curta é quando ela fala no tempo para relacionamentos lésbicos. A teoria é a de que lésbicas e cães tem mais em comum do que a mundialmente conhecida predileção por lambidas. O tempo dos cães adultos são equivalentes aproximadamente a sete anos humanos, e da mesma forma devemos fazer conosco.


Um mês para lésbicas é como sete messes para heterossexuais


Se seu cãozinho tem uns cinco anos, então na realidade, ele teria o equivalente a trinta e cinco anos humanos. E no tocante a nós? Como seria? Simples, se já namora a quatro meses com aquela gata maravilhosa, então... 4 x 7 = 2 anos e 4 messes em tempo heterosexual !!!! E já está na hora de parar de enrolá-la...


Em um primeiro momento achei a idéia absurda e até mesmo preconceituosa. Onde já se viou lésbicas dizendo isso de nós mesmas??!! Mas começei a pensar sobre o assunto e fui fazer uma pequena pesquisa entre minhas amigas “do babado”. Percebi que, na grande maioria, os relacionamentos lésbicos duram muito pouco tempo. Meses são o que a maioria dos namoros duram, e vitoriosas e porque não dizer lendárias, são as que podem contar o tempo de seus relacionamentos em anos.


Talvez nós devemos realmente nos conformar em contar nosso tempo em ANOS-LÉS, e assim ficamos com a impressão de que estamos conseguindo manter nossas amadas ao nosso lado por mais tempo.


Porque será que isso ocorre? Bem, me ocorreu que nós não nos contetamos com pouco. Já fizemos uma opção que vai contra o que é socialmente aceito em prol de nossa liberdade e felicidade, então porque ficariamos presas ? Talvez nossa condição, nossa opção, nossa escolha e nossa vida tenha se voltado para que só aceitemos aquilo que nos faz genuinamente feliz. É comum vermos casais héteros com anos de relacionamento, mas que no entanto pouco se conhecem, ou tal relacionamento só existe “da porta pra fora”.


Quero crer que conosco isso não ocorre, e que isso faz com que nossos relacioamentos acabem duranto menos, até que se encontre a pessoa certa. Porque nós nos empenhamos em nos conhecermos, e em pouco tempo percebemos se é ou não a pessoa com quem queremos passar nossa vida junto. E sabemos que não precisamos ficar em um relacionamento só para os outros verem, porque nós escolhemos relacionamentos verdadeiros.


Então continuamos procurando a pessoa com quem passaremos os anos-lés, anos-luz, e todos os anos possíveis bem juntinho.

domingo, 2 de maio de 2010

“E eu te recriei, só pro meu prazer...”


“E eu te recriei, só pro meu prazer...”

Nossa, que música maravilhosa !!!
Eu a amo! Desde sempre!

A idéia de recriar alguém para atender aos nossos anseios. Nossas vontades e desejos... Alguém que por ter sido feito á nossa justa medida, torna-se perfeita para nós...

Sempre achei esta idéia genial!

E quem de nós, românticas incorrigíveis poderia cometer o desatino de atirar a primeira pedra em quem nunca imaginou como seria sua mulher perfeita. Ou fez alguns “upgrades” nas que conhecemos, ou temos... Quem nunca imaginou uma história de amor linda, com um happy end? Ou uma novela inteirinha, para as mais imaginativas, ou menos acompanhadas...
Confesso ter teto de vidro...

Mas as coisas mudam, e vamos aprendendo... Hoje pensei sobre alguém que conheci recentemente...

Criar alguém sob medida, em nossa imaginação, para atender as nossas vontades, é a mais pura expressão da covardia.

Porque não tentamos viver uma vida real com alguém real. Alguém com defeitos, medos, e desmesuras? Porque é tão mais fácil fica escondido atrás da imaginação e do que poderia ser se ela fosse daquele jeitinho que imaginamos? Porque não partir para ver o que acontece se ela não for perfeita? Se ela não entender o que você disse, e você tiver de explicar mais uma vez?

O que acontece se as coisas ficarem um pouco difíceis? Se ela não souber cozinhar, ou não tiver a aparência que você imaginou, ou se for um pouco mais tímida, sou se for ainda mais inteligente do que você achava? O que acontece se você enfrentar a vida? O que acontece se a vida real for melhor do que a que imaginou? E se for pior? E se você errar? E se doer? E se valer muito a pena?

Tudo isso não passará da sua imaginação se você não tentar...

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Casamentos Instantâneos


Quando minha ex-mulher disse que queria se separar, meu mundo acabou... E pra minha surpresa ela saiu da minha casa direto pra casa de outra, mas é claro que ela nega até hoje ter me traído.


Para manter a amizade entre nós intacta, como é esperado por pessoas altamente civilizadas... Então criei uma teoria sobre como isso pode ter acontecido.

Acho que os casamentos são instantâneos hoje em dia. Basta adicionar água e pronto!!! Imagine a facilidade que isso pode ser... Principalmente para lésbicas que casam no primeiro espirro da parceira, e depois dizem “puxa, pensei que você tivesse me pedido, tem certeza de que era só um espirro mesmo!?”.


Você sai com a menina algumas vezes, percebem que têm alguma afinidade, na cama negócio pega fogo (mas por favor não chamem os bombeiros!!!), então você vai a um mercado ou uma loja de conveniência, compra um simples pacotinho e quando ela chegar em casa depois do trabalho, tem a surpresa de encontrar você a esperando, com malas, peixinho dourado e derramando água no pacotinho! Que romântico...


Mas não pensem que todos os casamentos seriam iguais. Claro que não, nós temos direito ás nossas diferenças. Existem vários sabores de casamento instantâneo.

Há para o público hétero (sim, é um produto que pode ser usado por todos), o casamento instantâneo sabor “gravidez”, já vem com pacote de fraldas, e lenços de papel para a mãe da noiva.


O sabor gravidez tem ainda uma versão ilimitada que nunca deixará de ser vendida (e usada) que é a “gravidez premeditada”, muito usada por mocinhas humildes, namoradas de rapazes não tão humildes.


Tem o sabor “Fui pega pela minha mulher com a amante” (este não é o sabor da minha ex, já que ela jura que não me traiu!!), esse já vem com o molde da do pé para fazer o decalque na bunda da noiva.


Há o sabor “golpe do baú”, que já vem com testamento em nome da noiva.


Tem o sabor “acabei de me separar e preciso de uma trouxa para me sustentar já que não penso em trabalhar há três anos” (esse sim deve ter sido o sabor utilizado pela referida pessoa), esse já vem com caminhão de mudanças.


Tem ainda os inigualáveis “socorro senão fico pra titia”, “to carente”, “preferi o casamento á bicicleta”, e o mais utilizados pelas sapas “já faz 2 messes que estamos namorando, então temos de casar!!!”


Existem sabores regionais, sabores de época, e muitas edições limitadas. Você já usou alguns desses?

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Quer uma Chana novinha ???

Estava eu num passeio inocente por aí, sem pensar em nada, quando fui surpreendida por uma visão inusitada. Vi uma Chana passando!!!! Parei. Olhei novamente para ter certeza do que estava vendo e confirmei: era mesmo uma Chana !!!



A Chana Motors é uma empresa chinesa fabricante de carros, e a primeira montadora chinesa a enviar veículos para o País. Os primeiros cinco modelos, utilitários de acabamento simples e preço competitivo, serão direcionados aos micro e pequenos empresários. Vendedores de cachorro-quente, perueiros escolares, lavanderias e empresas de água mineral e distribuição de gás, por exemplo, são seu público-alvo para os furgões, minivans e picapes. Todos têm motor de 970 cilindradas, instalado sob o banco do motorista. Os preços vão variar de R$ 27,9 mil a R$ 33,9 mil. Com três fábricas, a Chana é a maior montadora independente da China e fabricou 720 mil veículos em 2005, entre carros, utilitários, caminhões e ônibus.


Como vocês podem notar, eu fui logo pesquisar um pouco mais sobre a Chana, já que este sempre foi um assunto de meu interesse... Achei uma concessionária que vendia o tal do produto, e que não era muito longe e fui lá conferir. O vendedor não era oriental como eu esperava, mas era muito sério e não sei se foi extremamente forte em não rir dos trocadilhos ou se era totalmente inocente, pra não dizer tapado!

Eu fui arrumadinha e disse que estava interessada em algumas Chanas, então ele me disse que esta era uma ótima escolha (nossa! [é a primeira vez que me falam isso!!!). Disse que muitas pessoas no mundo fizeram esta escolha e ficaram muito satisfeitos, que os chineses querem agora que os brasileiros (e brasileiras) também possam usar suas Chanas. Eu já queria me acabar de rir neste momento, mas me contive e continuei, como disse ele ficou impassível o tempo todo. Completou ainda que o mercado brasileiro é muito bom, pois muitos brasileiros estão adquirindo Chana 0 KM!!! Eu disse que deveria ser muito bom mesmo, e ele foi falando de cheirinho de carro novo e etc... (bobinho...)

Depois me falou sobre algumas especificações técnicas que prefiro não repetir, mesmo porque não entendi nada, mas fiz uma ótima cara de conteúdo... Me chamou a atenção quando ele falou que existem modelos flex, ou Bi !!! Eu disse que sabia que existiam sim, e que isso não era nenhum problema para mim, desde que o desempenho fosse o mesmo. E então finalmente ele me perguntou se eu gostaria de entrar numa Chana. Nessa eu quase fui a delírio, devia estar roxa de vontade de rir, e respondi muito consciente do que falava que adoraria!

Então aproveitei e fiz algumas perguntas a respeito do produto tão querido por nós. Falei que algumas tinham uma aparência não muito atraente, e ele me disse que isso acontece algumas vezes, mas que após experimentarmos, não ligaríamos para isso, pois quem experimenta não quer mais largar. (Concordo !!!!!).


Começamos com a mini-van, e eu disse que achava aquela Chana muito pequena, e que deveria ser apertadinha (KKKK), mas ele me garantiu que por dentro era muito confortável. (ai minha mãezinha...) E então eu entrei !!!! Era a primeira vez que eu fazia isso na frente de tanta gente, acho que fiquei um pouco encabulada porque logo quis sair, e isso não costuma acontecer comigo meninas!!!




Depois ele me mostrou um modelo que parece um mini-caminhão. Bem pequininho. E eu disse que mais parecia um brinquedinho (daqueles vendidos nas sex shop é claro!!!) e ele me garantiu que aquela Chaninha agüentaria muita coisa, e que eu poderia me surpreender, e me encheu de dados técnicos novamente.


Então ele me perguntou sobre qual tipo de Chana eu estaria interessada. (Em todas !!!!) E ainda interpretando meu dificílimo papel disse que precisava de algo versátil, que não desse muita manutenção, e que eu pudesse levar para onde quiser, sem contar que deveria ser algo muito confortável.


Ele me entregou um folder com fotos e informações sobre vários modelos e disse que em breve estaria vendendo também uma Chana esportiva, que tinha uma ótima aparência, e que era super rápida. Eu disse que com certeza iria voltar lá para entrar nela, mas que os modelos mais rápidos não me atraem muito, pois eu prefiro conforto (e o prazer que proporciona) a rapidez.
E saí de lá rapidinho para poder rir a vontade antes que ele me oferecesse um test drive!!!


Agora meninas imaginem-se com uma Chana destas. É lógico que deverão mantê-las limpinhas, mas vocês teriam coragem de levar suas Chanas a um lava- rápido ou um posto de gasolina e pedir para os frentistas lavarem sua Chaninha?
E o que você faz quando alguém bate em sua Chana? Chama a polícia? Mas com certeza o faria se alguém a arrombasse... Ou roubassem a Chana que você usa diariamente.


Embora ele me garantisse que ela não dá muita manutenção. O que eu não acredito muito, porque eu bem que tive algumas que deram bastante trabalho. Mas mesmo assim, você já imaginou pedindo uma chupeta para a sua Chana? E quando tiver de trocar o óleo? Ou estiver com algum vazamento. Vai levar tranquilamente sua Chana para uma revisão?





Seja como for, eu prefiro deixar a minha bem longe do Picasso!!! E embora ela não seja zero, tá inteirona ainda viu?

domingo, 4 de abril de 2010

As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy


Não sei se conhecem este desenho. Para as que não conhecem vou fazer uma breve apresentação.


Billy é um garoto bobo (Estou sendo generosa com a inteligência dele) com pais estúpidos, e que é burro o bastante para ser amigo de Mandy.


Mandy é uma menininha linda, de vestidinho, olhos azuis, e ar angelical. Seria o sonho de consumo de toda mãe, se não fosse sádica, sarcástica, cínica, maldosa e extremamente inteligente. Ela é tão má, a ponto do “ceifador sinistro”, carinhosamente chamado de “Puro osso”, também ser vítima de suas maldades e comumente manipulado por ela para tingir outras pessoas.


Porque estou falando deste desenho neste blog? Porque ele mostra muito bem um lado da natureza humana. Mandy, por mais má que seja(e ela é), sempre está rodeada de pessoas.


Irwin é apaixonado por ela, e juntamente com Billy e Puro Osso são as suas vítimas prediletas.

- Ahhh... e daí?


E daí, que a Mandy é justamente o tipo de pessoa que procuramos em uma namorada. No post anterior disse que preferíamos as cafas. Reafirmo, e posso dar meu testemunho pessoal, e não é só como menina má...


Minha ex-mulher é a Mandy, com outra coloração de cabelo! Ela é má, sarcástica e sádica e se for necessário utiliza-se até de recursos sobrenaturais para atingir seu objetivo. E mesmo sabendo disso (inconscientemente é claro) a amava, queria estar ao seu lado, e ainda sofri por este amor.

Agora se perguntem quantas Mandy’s já não passaram por sua vida. Erwin (vídeo) é um menino amável, bondoso, gentil, romântico (quase afeminado) e insuportável ! Ninguém o agüenta...


Nós também somos assim. Afastamos quem é gentil e nos trata bem e corremos atrás de quem nos destrata.


Basta a menina ser linda, ter uma carinha de boazinha para que nós nos apaixonemos por ela. E não paramos aí, ficamos de quatro, e fazemos tudo por ela, mesmo que ela seja incrivelmente cruel. Nós ainda a achamos tão linda... Sempre conseguimos achar um motivo pelo qual estar perto dela.


Pensem em suas atuais namoradas, ficantes e ex. Sofrem ou sofreram mais pelas boazinhas? Creio que não.


Tudo que é muito fácil e tranqüilo, perde a graça. Queremos emoção, adrenalina, aventura, mesmo que esta emoção se dê pelo sofrimento. Porque somente assim nos sentimos vivas.


Meninas boazinhas vão para o céu, e as más... bem, as más se dão bem!!!

sábado, 27 de março de 2010

Relato de uma Cafa




O blog “Manual dos Cafajestes” traz uma lista de coisas que toda cafajeste precisa ter ou fazer, no mínimo.
Adorei o post! Perfeito, embora eu mesma não use todos aqueles artifícios (talvez outros...) em compensação, alguns serviram de ótimas dicas.
Então pensei em fazer um relato. De alguém que se tornou cafajeste, mesmo não tendo esta natureza.
Depois de anos de amorzinho pra lá, amorzinho pra cá, e levando muita porrada, eu finalmente aprendi: Mulher gosta é de cafajeste !!!
Então, atendendo a pedidos, me tornei uma. Mas não pensem que foi fácil. Tive de me adaptar, aprender. Mas neste sentido, foram elas mesmas que me mostraram o caminho, me ensinaram, e me mostraram o caminho. Fica mais fácil quando você deixa a maré te levar.
Hoje em dia eu ainda tenho algumas recaídas de vez em quando... Fico querendo uma só. Ter alguem pra dar cafuné quando chego estressada do trabalho. Me dedicar a uma única pessoa, e com ela ser feliz. Só que isso não dura muito, porque levo outra paulada e percebo que o romantismo foi só uma escola literária. E que nem mesmos os autores daquela época se deram bem, pois quase todos morreram jovens e infelizes...
E assim vou seguindo minha vida de Cafa. E mulheres não reclamem porque são vocês mesmas que nos obrigam a agir assim. E adoram !!!!
Você pode escolher viver só e infeliz ou ser uma cafajeste cheia de mulheres em sua volta aproveitando o que cada uma tem de melhor a lhe oferecer, e em contrapartida lhes oferecer o que você também pode lhes fazer de melhor: Ser cafajeste !!!

domingo, 21 de março de 2010

Somos Todas loucas...


"O neurótico constrói um castelo no ar. O psicótico mora nele. O psiquiatra cobra o aluguel. "
( Jerome Lawrence )


Li em algum lugar que somos loucas por não acharmos motivos para sermos normais...
Ser normal é fazer as escolhas que todos fazem, seguindo o memso catessismo, como cabeças de gado. Ser normal é aceitar os ditames que a sociedade impõe aos outros, mas que no final não são bons para ninguém, nem para os proprios normais.
Então não encontro mesmo razão para ser normal.
Sou louca ! E somos todas loucas !!!!
John Dryden dizia que "Há na loucura um prazer que só os loucos conhecem." Pois concordo com ele, há em nossa loucura um prazer (e que prazer ! ! ! ) que somente nós conhecemos... Somos loucas por elas !!!!
Somos loucas pelas pele, pelo toque, pelo cheiro, pela presença e pelo amor delas...
Somos loucas ao dar a cara a tapa e enfrentar esta sociedade hipócrita...
Somos loucas em mostrar quem somos, somos loucas ao dizer que temos os mesmos direitos que os normais... E somos ainda mais loucas por viver enfurnadas em um armário, achando que aquele é o lugar que podemos e devemos ocupar...
E por mais que me digam: Você é louca !!!!
Eu insisto, sou louca sim, e com muito orgulho!!!
como já dizia Napoleão Bonaparte, "As loucuras alheias jamais nos ensinam a ser sensatos."
Então quero aprender e viver minha loucura, porque eu seria louca se não o fizesse.